2464
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Perfil epidemiológico dos pacientes internados vítimas de queimaduras por agentes inflamáveis

Epidemiologic profile of hospitalized patients victims of burns by flammable agents

Alessandra Nestor1; Karyna Turra2

RESUMO

OBJETIVO: Caracterizar o perfil epidemiológico dos pacientes internados em um Hospital Universitário do Estado do Paraná, vítimas de queimaduras causadas por agentes inflamáveis.
MÉTODOS: Estudo quantitativo descritivo, desenvolvido com 32 pacientes, sendo 25 (78%) do sexo masculino e sete (22%) do sexo feminino, internados no Hospital Universitário, no período de julho a setembro de 2012. A coleta de dados foi realizada por meio da aplicaçao de um questionário estruturado pelas autoras do projeto.
RESULTADOS: O perfil epidemiológico do paciente internado queimado por agente inflamável compreende um indivíduo do sexo masculino, adulto jovem, com baixo nível de escolaridade e renda familiar mensal com rendimentos de 1 a 2 salários mínimos. O agente causal mais frequente foi o álcool na forma líquida, seguido de gasolina e demais agentes inflamáveis. O ambiente doméstico foi o local de acidente mais prevalente (50% dos casos), seguido do ambiente de trabalho (31%), rua (13%) e em ambiente de lazer (6%). A pesquisa demonstrou que estes indivíduos, em sua maioria, nao tiveram acesso às campanhas de prevençao.
CONCLUSAO: A queimadura causada por agente inflamável é um acidente grave e frequente, tanto no ambiente domiciliar como em ambiente de trabalho. Faz-se necessário haver a criaçao de novas campanhas e estratégias que visem prevenir esse tipo de acidente, diminuindo sua frequência na comunidade, com ênfase na populaçao de risco.

Palavras-chave: Queimaduras. Queimadura/Prevenção & Controle. Enfermagem. Epidemiologia.

ABSTRACT

OBJECTIVE: To characterize epidemiologic profile of patients admitted with burn secondary to flammable agents at the University Hospital of the State of Paraná.
METHODS: We performed a descriptive, quantitative study in 32 patients, 25 (78%) male and seven (22%) female, who were hospitalized at the University Hospital, between July and September of 2012. Data collection was carried out by a structured questionnaire.
RESULTS: The profile of the patient hospitalized with a burn caused by a flammable agent consisted more commonly of a young adult male, with low educational level and with a monthly household in come of one to two times the minimum salary wage. The most frequent causal agent was liquid alcohol, followed by gasoline and other flammable agents. The domestic environment was the most prevalent site (50% of the cases), followed by workplace (31%), street (13%) and recreational environment (6%). Our study demonstrated that most of these individuals did not have access to accident prevention campaigns.
CONCLUSION: Burns caused by flammable agents are a serious accident and frequent both in the home and work environments. Therefore, it is necessary to develop campaigns and strategies aiming at preventing this type of accident, thereby decreasing their frequency in the community, with emphasis on the population at risk.

Keywords: Burns. Burns/Prevention & Control. Nursing. Epidemiology.

INTRODUÇAO

O conceito de queimadura é amplo, mas basicamente compreende uma lesao nos tecidos orgânicos causada por ocorrência de algum trauma de origem térmica, o qual ocorre principalmente em acidentes domésticos, ambientes de trabalho e tentativas de suicídio1.

A maioria das queimaduras ocorre em um cenário de baixas condiçoes socioeconômicas, estando relacionadas, principalmente, com as práticas culturais da populaçao2.

As queimaduras sao um problema de saúde significativo, por provocarem sequelas permanentes ou de longa duraçao, de ordem física e/ou psicológica, comprometendo a fisiologia, alterando a autoimagem corporal, a autonomia e a estética dos pacientes, resultando em deformidades graves e deficiências limitantes, além de diminuir a capacidade funcional para a realizaçao de tarefas do cotidiano e laboral. Os dados estatísticos no Brasil com relaçao às lesoes por queimaduras sao bem escassos, o que prejudica a orientaçao de programas de tratamento e prevençao deste agravo3,4.

Dentre os vários tipos de agentes inflamáveis, o álcool é um grande responsável por parte das queimaduras. Em estudo epidemiológico, Rossi et al.5 demonstraram que dos 33 pacientes entrevistados, 20 foram vítimas de queimaduras por agentes inflamáveis, representando 60% da amostra, sendo o álcool o principal agente causador das queimaduras.

No Brasil, o álcool tem papel relevante na ocorrência das queimaduras, sendo muito utilizado, por questoes culturais, em nosso meio como agente de limpeza doméstica, antisséptico, para o acendimento da chama de churrasqueira, entre outras atribuiçoes6,7.

Uma das possíveis causas no elevado número de acidentes por agentes inflamáveis, especificamente pelo álcool, é a falta de informaçao a respeito de sua fácil combustao, sua comercializaçao em embalagens frágeis de plástico, bem como o seu baixo custo e a facilidade em obter no comércio, pois nao há restriçoes para efetuar a compra1. A utilizaçao de forma indiscriminada dos agentes inflamáveis também propicia ao elevado números de acidentes, pois a maioria dos acidentes causados por queimaduras podem ser prevenidos, porém, os programas de prevençao desse tipo de acidentes sao escassos no Brasil3,5.

Diante disso, é fundamental que o enfermeiro, além de prestar assistência às vítimas de queimaduras, também se preocupe em coletar os dados estatísticos, traçar estratégias para a prevençao de acidentes, a fim de compreender as possíveis causas desse tipo de agravo ocasionado pelos agentes inflamáveis e, posteriormente, aplicá-los em programas que visem à educaçao em saúde à populaçao.

O propósito deste estudo foi caracterizar o perfil epidemiológico dos pacientes internados vítimas de queimaduras por agentes inflamáveis, por meio da coleta de dados e análise das características epidemiológicas, a fim de contribuir para o aumento dos dados estatísticos, visando à melhoria da assistência a esses pacientes, auxiliando, assim, na elaboraçao de programas de prevençao de acidentes por queimaduras.


MÉTODOS

Trata-se de uma pesquisa quantitativa com abordagem descritiva cujo cenário foi o setor de Queimados de um Hospital Universitário do Estado do Paraná, referência no atendimento de queimaduras. Os critérios de inclusao desse estudo foram: estar internado por queimadura causada por agentes inflamáveis, nao importando o local do acidente, estar consciente, ser maior ou igual a 18 anos e concordar em assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O projeto obedeceu às normas éticas estipuladas pela Resoluçao 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, respeitando o sigilo dos sujeitos da pesquisa8. A coleta de dados deu-se após a aprovaçao do Comitê de Ética em Pesquisa da Sociedade Evangélica Beneficente, nos meses de julho, agosto e setembro de 2012, por meio de um questionário semiestruturado pelas autoras (Apêndice 1). Os dados foram analisados por meio do método de análise descritiva.


RESULTADOS

Participaram deste estudo 32 pacientes internados vítimas de queimaduras causadas por agentes inflamáveis, sendo entrevistados 15 pacientes no período de julho, seis em agosto e 11 em setembro, procedentes em sua maioria de Curitiba (63%), seguido da Regiao Metropolitana (31%) e de outras cidades do Paraná (6%). As características epidemiológicas estao na Tabela 1.




Com relaçao às profissoes, houve maior predomínio de acidentes envolvendo os agentes inflamáveis nas profissoes mais insalubres: área industrial e construçao civil (Figura 1).


Figura 1 - Amostragem das profissoes dos entrevistados.



A Tabela 2 mostra a distribuiçao do grau das queimaduras dos pacientes entrevistados. Houve maior incidência de queimaduras mistas de 2º e3º grau, com representaçao de 63% do total de pacientes entrevistados.




Quanto à frequência do porte da queimadura, houve predominância do porte grande queimado, em que a superfície corporal queimada foi superior a 20%, com total de 59,38%, com 19 pacientes entrevistados (Figura 2).


Figura 2 - Amostragem quanto à superfície corporal queimada dos entrevistados.



Em relaçao aos agentes causais, identificou-se predomínio do agente álcool na forma líquida, com 17 entrevistados (53%), seguidos de gasolina com seis entrevistados (19%), óleo de cozinha com três entrevistados (9%), dois entrevistados com queimaduras causadas por explosao de agente inflamável nao especificado (6%) e um entrevistado (3%) com queimaduras causadas por querosene, gás de cozinha, cola de sapateiro e tinner (Figura 3).


Figura 3 - Distribuiçao dos agentes causais.



Em relaçao à permanência em ambiente hospitalar, 31% dos pacientes permaneceram internados na unidade no período de 11 a 21 dias, o período de 0 a 10 dias teve uma frequência de 25% de pacientes, 22% de entrevistados permaneceram internados 22 a 31 dias, com sete casos de pacientes e 22% dos entrevistados permaneceram pelo período superior a 32 dias (Tabela 3).




Observa-se que os membros superiores foram mais expostos durante o acidente, 69% apresentaram lesao deste local, devido à manipulaçao do agente causal, os membros inferiores, o tórax e a face foram também bastante expostos durante o acidente, com uma frequência de 44% de todos os pacientes entrevistados (Tabela 4).




Os fatores causais das lesoes, na opiniao dos pacientes entrevistados, foram descuido/falta de atençao própria ou descuido de terceiros (Tabela 5).




DISCUSSAO

As queimaduras sao um problema de saúde significativo, por provocarem sequelas permanentes ou de longa duraçao, de ordem física e/ou psicológica, comprometendo a fisiologia, a autoimagem e a estética dos pacientes4,9.

Neste estudo, a maior incidência de queimaduras causadas por agentes inflamáveis ocorreu em indivíduos do sexo masculino, adultos jovens, em faixa etária produtiva de 18 a 35 anos, com baixo grau de escolaridade e baixa renda familiar, com rendimentos de 1 a 2 salários mínimos mensais. Estudos ressaltam que os homens apresentam maior incidência a estes agravos, por trabalharem em serviços mais insalubres, expondo-se a um maior número de traumas e acidentes, sugerindo que a populaçao masculina encontra-se mais sujeita ao acidente de queimadura provocada pelos agentes inflamáveis comparada à populaçao feminina5,10,11.

Quanto à frequência do porte da queimadura, houve predominância do grande queimado, em que a superfície corporal queimada foi superior a 20%, com total de 59,38%, com 19 pacientes entrevistados. O agente causal mais frequente foi o álcool na forma líquida (53%), seguido de gasolina (19%), e demais agentes inflamáveis. As queimaduras por líquidos inflamáveis, especialmente álcool, sao causas comuns, pois cerca de 20% de todas as queimaduras ocorridas no Brasil sao ocasionadas pelo álcool12.

Rossi et al.5 descrevem que as queimaduras causadas por álcool sao mais agressivas e profundas comparadas às queimaduras ocasionadas por água fervente, pois o álcool é classificado como líquido inflamável e tem um maior tempo de exposiçao de calor à pele, sendo que o agente e o tempo de exposiçao ao agente térmico determinam a profundidade da lesao. Nosso estudo contrasta com os dados encontrados na literatura, pois a maioria dos pacientes entrevistados nesta pesquisa apresentou queimaduras graves de 2º e 3º grau, com tempo de internaçao em sua maioria superior a 10 dias.

Sobre o local de ocorrência dos acidentes por queimadura com os agentes inflamáveis, em 16 entrevistados (50%) foram causados em ambiente doméstico, em 10 entrevistados (31%) foram em ambiente de trabalho, em quatro (13%) entrevistados sofreram o acidente na rua e em dois entrevistados (6%) em ambiente de lazer/chácara.

Houve predomínio no número de casos de acidentes em ambiente de trabalho (10 casos), seguido de cinco pacientes, os quais estavam próximos ao fogao e/ou cozinhando, três pacientes estavam em uma festa e/ou no momento de lazer em ambiente externo, dois pacientes sofreram o acidente na tentativa de acendimento da chama de churrasqueira, quatro pacientes tentaram suicídio utilizando o produto inflamável, dois pacientes estavam utilizando o produto como forma de fonte de calor e aquecimento, um paciente estava dirigindo automóvel, um entrevistado estava realizando limpeza doméstica utilizando o produto inflamável e três pacientes estavam consumindo álcool e drogas quando sofreram o acidente.

Percebeu-se que muitos trabalhadores estavam constantemente em contato com o agente causal em seu ambiente de trabalho. As profissoes mais expostas ao trauma deste estudo foram trabalhadores na construçao civil e área industrial, sendo que 31% da amostra deste estudo sofreu o acidente com o agente inflamável em seu ambiente de trabalho.

Segundo estudos, o ambiente doméstico é o local onde mais ocorrem acidentes por queimaduras, sendo o desconhecimento quanto às situaçoes de riscos para acidentes, a negligência, o descuido e a falta de atençao importantes fatores que contribuem na ocorrência de queimaduras, o que corrobora com o nosso estudo, visto que tais fatores foram encontrados nesta pesquisa. Outro fator relacionado pelo índice de acidentes é a utilizaçao de produtos inflamáveis na limpeza doméstica e no acendimento de chama de churrasqueira, pois cada vez mais os agentes inflamáveis estao inseridos no ambiente domiciliar3-5.

As queimaduras causadas pelos agentes inflamáveis ocorrem muitas vezes por explosao ou contato com chama direta, o que ocasiona múltiplas lesoes por toda a extensao do corpo. Pode-se observar que os membros superiores foram mais expostos durante o acidente: 69% dos entrevistados apresentaram lesao deste local. Os membros inferiores, o tórax e a face foram também bastante expostos durante o acidente, com frequência de 44% de todos os pacientes entrevistados. As costas e a regiao abdominal apresentaram frequência de 31% dos casos. O pescoço foi atingido em 25% dos casos, com oito pacientes. A regiao menos atingida foi a genital, com apenas 3% dos casos.

Com relaçao às causas dos acidentes de queimaduras geradas pelos agentes inflamáveis, na opiniao dos pacientes entrevistados, estes em sua maioria concordaram que a queimadura foi ocasionada por descuido/falta de atençao própria ou descuido de terceiros.

Essa pesquisa corrobora com os resultados encontrados na literatura, em que o descuido próprio, a falta de atençao e o descuido de terceiros sao citados como responsáveis pelo acontecimento das lesoes de queimaduras5,13.

Vários sao os estudos que apontam o agente álcool como vilao na ocorrência desses acidentes3,5,14. O objetivo deste estudo é ressaltar ainda mais que esse problema permanece em nosso meio e evidenciar que o álcool nao é o único responsável pelas queimaduras, a gasolina e o óleo de cozinha também tiverem índices relevantes.

Os dados encontrados evidenciaram que a maioria dos entrevistados nao realizou a leitura das informaçoes contidas no rótulo do produto inflamável antes de sua manipulaçao. Estes, em sua maioria, acham necessária a aplicaçao de novos programas de prevenir o surgimento de novos casos de queimaduras pelos agentes inflamáveis (Tabela 6).




Diante destes dados, acreditamos que há um déficit importante com relaçao à estruturaçao de campanhas que visam à prevençao do trauma por queimadura ocasionado por agente inflamável, tendo em vista que a maioria dos entrevistados nao teve acesso às campanhas de prevençao. Cabe ao enfermeiro, na sua tarefa de educador, participar ativamente de campanhas, criando estratégias que estimulem a prática segura na manipulaçao dos agentes inflamáveis, a fim de influenciar o comportamento da populaçao de risco e a incidência das queimaduras causadas pelo descuido e falta de atençao na manipulaçao dos agentes inflamáveis.


CONCLUSAO

Conclui-se que a queimadura causada por agente inflamável é um acidente grave e frequente tanto no ambiente domiciliar como em ambiente de trabalho, faz-se necessária a criaçao de novas campanhas e estratégias que visem prevenir esse tipo de acidente, diminuindo sua frequência na comunidade, com ênfase nos pacientes vulneráveis ao trauma. Salienta-se, também, a necessidade de novos estudos que abordem a queimadura causada por agentes inflamáveis, pois realizar estudos de caráter epidemiológico é primordial na tentativa de compreender os principais mecanismos do trauma, conhecer a populaçao de risco, elaborar estratégias que visem diminuir o número de eventos, assim como colaborar na organizaçao das unidades de atendimento a estas vítimas.


REFERENCIAS

1. Gomes DR, Cabral MD. Avaliaçao pré-hospitalar. In: Gomes DR, Serra MCVF, Pellon MA, editores. Queimaduras. Rio de Janeiro: Revinter; 1995. p.9-14.

2. Gragnani A, Ferreira LM. Pesquisa em queimaduras. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(3):91-6.

3. Rossi LA, Barruffini RC, Garcia TR, Chianca TM. Queimaduras: características dos pacientes admitidos em um Hospital Escola de Ribeirao Preto (SP) Brasil. Rev Panam Salud Publica. 1998;4(6):401-4.

4. Santana VBRL. Perfil epidemiológico de crianças vítimas de queimaduras no Município de Niterói -RJ. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(4):130-5.

5. Rossi LA, Ferreira E, Costa ECFB, Bergamasco EC, Camargo C. Prevençao de queimaduras: percepçao de pacientes e de seus familiares. Rev Latino-Am Enfermagem. 2003,11(1):36-42.

6. Gimenes GA, Alferes FC, Dorsa PP, Barros ACP, Gonella HA. Estudo epidemiológico de pacientes internados no Centro de Tratamento de Queimados do Conjunto Hospitalar de Sorocaba. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(1):14-7.

7. Guimaraes Jr LM. Queimaduras/Tratamento Clínico e Cirúrgico. Rio de Janeiro: Rubio; 2006.

8. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resoluçao nº 196. Brasília: Ministério da Saúde; 1996 [Acesso 27 mar 2012]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/1996/reso196.doc&sa=U&ei=ffGmT8fNIJLAtgem7fzVBA&ved=0CBQQFjAA&usg=AFQjCNFPWEo0E7 gitk6MEBh8dvMvFh3Vg

9. Meyer CM, Köche FE, Souza MEP, Leonardi DF. Sequelas de queimaduras: retraçao cervical. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(1):38-42.

10. Macedo AC, Proto RS, Moreira SS, Gonella HA. Estudo epidemiológico dos pacientes internados na Unidade de Tratamento de Queimados do Conjunto Hospitalar de Sorocaba entre 2001 a 2008. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(1):23-5.

11. Antoniolli L, Martins CL, Echevarría-Guanilo MH, Dal Pai D. Acidentes de Trabalho por queimaduras: uma revisao da literatura. Artigo apresentado no Seminário Internacional sobre o Trabalho na Enfermagem, Bento Gonçalves, agosto 2011 [Acesso 10 out 2012]. Disponível em: http://www.abeneventos.com.br/3siten/siten-trabalhos/files/0074.pdf

12. Júnior GF, Vieira ACP, Alves GMG. Avaliaçao da qualidade de vida de indivíduos queimados pós alta hospitalar. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(4):140-5.

13. Sociedade Brasileira de Queimaduras. Protocolo de Tratamento de Emergência das Queimaduras. 2012 [Acesso 20 jun 2012]. Disponível em: http://www.sbqueimaduras.com.br/sbq/category/queimaduras/legislacao/

14. Coutinho BBA, Balbuena MB, Anbar RA, Anbar RA, Almeida KG, Almeida PYNG. Perfil epidemiológico de pacientes internados na enfermaria de queimados da Associaçao Beneficente de Campo Grande Santa Casa/MS. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(2):50-3.










1. Acadêmica em Enfermagem pela Faculdade Evangélica do Paraná, Curitiba, PR, Brasil
2. Enfermeira Especialista em Estomoterapia. Professora do Curso de Enfermagem da Faculdade Evangélica do Paraná, Curitiba, PR, Brasil

Correspondência:
Alessandra Nestor
R. Carlota Mion, 12, Campina do Siqueira
Curitiba, PR, Brasil - CEP 80740-660
E-mail: alessandranestor@hotmail.com

Artigo recebido: 14/4/2014
Artigo aceito: 19/5/2014

Trabalho realizado na Faculdade Evangélica do Paraná. Curitiba, PR, Brasil.



© 2020 Todos os Direitos Reservados