3048
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Tradução, revalidação e confiabilidade da Escala de Cicatrização de Vancouver para língua portuguesa - Brasil

Translation, revalidation and reliability of the Vancouver Scar Scale to Portuguese Language - Brazil

Maiara Carvalho dos Santos1; Juliano Tibola2; Claudia Mirian de Godoy Marques3

RESUMO

OBJETIVO: Traduzir para a língua portuguesa, adaptar ao contexto cultural brasileiro e testar as propriedades de medidas, reprodutibilidade e validade da Escala de Cicatrizaçao de Vancouver.
MÉTODO: A Escala de Cicatrizaçao de Vancouver foi traduzida e adaptada de acordo com metodologia aceita internacionalmente. Realizou-se traduçao e traduçao reversa do instrumento, intercaladas de revisoes feitas por comitê multidisciplinar. Os processos de traduçao, compreensao e clareza foram realizados por 38 professores do curso de fisioterapia, que avaliaram a versao brasileira da Escala de Cicatrizaçao de Vancouver até obter seu entendimento integral. Na validaçao e reprodutividade, foi aplicada a versao brasileira a 80 profissionais da área da saúde, membros da Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ), por meio de correio eletrônico. Para a análise estatística, foram utilizados: o valor da média, mínimo e máximo para observar o processo de compreensao e relevância. Para testar a consistência interna da escala, foi calculado o valor de α de Cronbach.
RESULTADOS: O processo de traduçao e retrotraduçao nao demonstrou diferença nas escalas feitas pelos diferentes tradutores. Os processos de compreensao/clareza e validaçao/reprodutividade constataram que todos os itens da escala foram considerados relevantes. Os valores da consistência interna testada pelo α de Cronbach foram de 1,000 pelos professores e 0,815 pelos membros da SBQ.
CONCLUSOES: Diante dos resultados, foi possível concluir que a Escala de Cicatrizaçao de Vancouver foi traduzida e adaptada com sucesso ao idioma português e à cultura brasileira, bem como, demonstrando ser válida e reprodutível.

Palavras-chave: Tradução. Cicatrização. Queimaduras. Reprodutibilidade dos Testes.

ABSTRACT

PURPOSE:
To translate into Portuguese, to adapt to the Brazilian cultural context and to test the measurement properties, reproducibility and validity of the Vancouver Scar Scale (Burn Scar Assessment).
METHOD: The Vancouver Scar Scale was translated and adapted in accordance with internationally accepted methodology. Translation and reverse translation of the instrument, interspersed with revisions were done by a multidisciplinary committee. The translation, understanding and clarity processes were done by 38 university lecturers on physiotherapy who evaluated theBrazilian version of the Vancouver Scar Scale until full understanding. Validation and reproducibility of the Brazilian version of the 80 health professionals, members of the Sociedade Brasileira de Queimaduras - SBQ (Brazilian Society of Burns) via electronic mail was applied. For the statistical analyses were used: the mean value, minimum and maximum to observe the process of understanding and relevance. Cronbach's α value was calculated to test the internal consistency of the scale.
RESULTS: The translation and back-translation process demonstrated no difference in scales made by the different translators. The processes of understanding/clarity and validation/reproducibility found that all scale items were considered relevant. The internal consistency tested by Cronbach's α was 1,000 for university lecturers and 0,815 for members of the SBQ.
CONCLUSIONS: From the results it was concluded that the Vancouver Scar Scale was translated and adapted successfully to the Portuguese language and Brazilian culture and demonstrated to be valid and reproducible.

Keywords: Translating. Wound Healing. Burns.Reproducibility of Results.

INTRODUÇAO

As queimaduras sao lesoes traumáticas causadas, na maioria das vezes, por agentes térmicos, químicos, elétricos ou radioativos. Os tecidos de revestimento do corpo humano podem ser atingidos de forma parcial ou total, afetando a pele e suas camadas mais profundas, como tecido celular subcutâneo, músculos, tendoes e ossos1,2.

Pelo alto grau de complexidade das queimaduras corporais, é necessário um tratamento específico e cuidados realizados por uma equipe multidisciplinar. Muitas vezes, o tratamento já foi iniciado no próprio local do acidente, com o paciente sendo encaminhado posteriormente ao hospital para acompanhamento ambulatorial ou cirúrgico3,4. Existem diferentes possibilidades de tratamento. A decisao do tratamento mais adequado a cada paciente é determinada pela gravidade e nível de extensao da lesao, visando sanar todos os aspectos envolvidos no trauma, sequelas físicas e psíquicas3,5.

As queimaduras extensas necessitam de tratamento por longos períodos conforme sua gravidade, as sequelas físicas importantes devem ser tratadas de forma mais rápida possível pela Fisioterapia, a fim de devolver o paciente ao convívio social e laboral, visando sua qualidade de vida2,6,7.

A Fisioterapia trabalha na reabilitaçao física destes pacientes, seguindo um longo percurso de observaçao desde a queimadura, processo inflamatório, ferida aberta, cicatrizaçao gradual e cobertura epitelial8,9. Cada fase do tratamento é avaliada pela equipe multidisciplinar, incluindo o fisioterapeuta, para um melhor acompanhamento do tratamento aplicado7,10-12.

Vários métodos e técnicas sao utilizados para avaliar a cicatriz, como: fotografia, ultrassonografia, dopplerfluxometria a laser, avaliaçao patológica da biópsia, ergonometria, avaliaçao da temperatura, avaliaçao da cicatriz por métodos de raios infravermelhos e avaliaçao do paciente por escalas, sendo a mais utilizada em nível mundial a Escala de Cicatrizaçao de Vancouver6, a qual foi traduzida para vários idiomas, exceto para a língua portuguesa2,7,10,11.

A maioria dos instrumentos de avaliaçao (questionários, escalas) foi formulada na língua Inglesa e direcionada as suas respectivas populaçoes. Para serem aplicados em populaçoes com idioma e culturas diferentes, estes instrumentos devem ser traduzidos, adaptados culturalmente13,14.

A Escala de Cicatrizaçao de Vancouver foi desenvolvida e validada6 especialmente para avaliar o aspecto funcional e estético da cicatriz. É composta por itens referentes à pigmentaçao, vascularizaçao, maleabilidade e altura da cicatriz; a pontuaçao final varia de 0 a 13, sendo a menor pontuaçao correspondente ao melhor resultado.

Considerando a escassez de estudos no Brasil sobre avaliaçao de cicatriz em pacientes que sofrem queimaduras, torna-se importante a utilizaçao de um instrumento de mediçao do processo de cicatrizaçao para os profissionais da área de saúde, como uma ferramenta indispensável para avaliaçao e tratamento de complicaçoes posteriores à queimadura. Em meio a estas consideraçoes, o objetivo deste estudo foi utilizar a Escala de Cicatrizaçao de Vancouver para traduzir e adaptar para a língua portuguesa, bem como adaptar ao contexto cultural brasileiro, testando as propriedades de medidas, reprodutibilidade e validade.


MÉTODO

Neste estudo, foram formados grupos para cada etapa do processo. Sendo eles: G1 - composto por dois tradutores independentes, de naturalidade norte-americana, com domínio na fluência da língua portuguesa; G2 - composto por uma equipe multidisciplinar com três profissionais da área da saúde em nível de doutorado; G3 - três tradutores independentes fluentes na língua inglesa, que tenham morado no mínimo por 2 anos em países que possuem como idioma o inglês; G4 - formado por 38 professores do curso de Fisioterapia da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, atuantes há, no mínimo, 1 ano; e, G5 - 80 profissionais da área da saúde, vinculados a Sociedade Brasileira de Queimadura (SBQ), atuantes na área de queimados.

A escala de Cicatrizaçao de Vancouver foi traduzida do original, em língua inglesa, para a língua portuguesa por dois tradutores independentes (G1). As duas traduçoes foram comparadas por um grupo multidisciplinar (G2), composto por três profissionais da área da saúde com nível de doutorado, criando-se a versao em português nº 1. Dois tradutores independentes (G3), fluentes na língua inglesa, os quais nao foram informados da existência da escala original e dos objetivos deste trabalho, realizaram a traduçao reversa para a língua inglesa (back translation). A equipe multidisciplinar (G2) comparou as duas traduçoes reversas com a escala original na língua inglesa e criou a versao em português nº 2, mantendo as equivalências idiomática, semântica, conceitual e cultural. Seguiu-se a análise dos conteúdos (da traduçao e da versao nº 2) comparando-os com conteúdo da escala original, segundo o idioma e linguagem técnica empregada no Brasil, para legitimar a traduçao e suas adaptaçoes.

No pré-teste, um grupo de 38 profissionais da área da saúde (G4) avaliaram, individualmente, a compreensao e a relevância de cada item da escala na versao em português nº 2. Esses profissionais da área da saúde trabalhavam há um ano, no mínimo, com atuaçao como professor universitário do curso de Fisioterapia na Universidade do Estado de Santa Catarina-UDESC e foram esclarecidos sobre o estudo e requisitados a executar:

a) Explicaçao de cada item, da forma como entenderam, com suas palavras;

b) Sugestao de mudanças, se necessário, para torná-lo mais compreensível;

c) Mensuraçao do quanto consideravam o item relacionado ao que a escala se propôs medir (importância do item para avaliar a cicatriz de uma queimadura).

Os itens foram classificados pelos profissionais da área da saúde, segundo a importância, com valores de 1 a 10 (entre confusa, pouco clara e clara). A inclusao das adaptaçoes necessárias para a compreensao da escala, pelos profissionais da área da saúde, resultou na versao em português nº 3.

A versao final nº 3, em língua portuguesa, resultou da última avaliaçao e do consenso do grupo multidisciplinar (G2), que testou a validade de face (para verificar se o instrumento estava em conformidade com o projeto) e a validade de conteúdo (relevância de cada item da escala para medir o tema abordado e a importância de cada item da escala, isoladamente). A versao traduzida final foi aplicada a 80 profissionais da área da saúde e membros da Sociedade Brasileira de Queimaduras (G5). Os resultados foram utilizados no cálculo do índice de consistência interna (grau de correlaçao entre os itens da escala), sendo calculada pelo coeficiente α de Cronbach.

Os dados do processo de compreensao/clareza e validaçao/reprodutividade foram tabulados no Microsoft Excel e, para análise, foi utilizado SPSS v.17.0.

No tratamento estatístico, os valores da média, mínimo e máximo foram calculados para observar o processo de compreensao e relevância. Para testar a consistência interna da escala, foi calculado o valor de α de Cronbach.

Consideraçoes Éticas

Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), CAAE: 08144112.5.0000.0118.

A autorizaçao para a utilizaçao da Escala de Cicatrizaçao de Vancouver (The Burn Scar Assessment Form, Sullivan et al.,1990) para traduçao e adaptaçao para a língua portuguesa (Brasil) foi obtida apor meio de um Contrato de Licença entre CMG Marques e "Wolters Kluwer Health", fornecido pela "Copyright Clearance Center", sob o número de licença 3406130845389.


RESULTADOS

O Quadro 1 mostra a Escala de Cicatrizaçao de Vancouver, traduzida para o idioma português e adaptada ao contexto cultural Brasileiro. Observa-se que esta escala, embora já traduzida e adaptada para língua portuguesa, constitui uma escala com estrutura semelhante à escala original. As etapas do processo de traduçao e validaçao estao ilustradas na Figura1 em fluxograma.




Figura 1 - Etapas do processo de validaçao e adaptaçao transcultural até a versao final da Escala de Cicatrizaçao de Vancouver.



No processo de Compreensao e Relevância, foram consideradas as médias de pontuaçao, valores mínimo e máximo de pontuaçao na escala para todas as questoes avaliadas pelos professores, apresentadas na Tabela 1. A avaliaçao da consistência interna dos itens da escala foi medida pelo α de Cronbach, obtendo-se o valor de 0,999 a 1,000 pelos professores (Tabela 2).






No processo de Confiabilidade e Validaçao, foi observado que as médias de relevância de todos os itens permaneceram acima de 2 pontos na avaliaçao dos professores (Tabela 3), bem como na avaliaçao dos profissionais da saúde (Tabela 4).






A avaliaçao da consistência interna dos itens da escala foi medida pelo α de Cronbach, obtendo-se o valor de 0,815, demonstrando correlaçao expressiva entre eles.


DISCUSSAO

A conduçao do processo de traduçao, adaptaçao para a língua portuguesa constituiu de uma metodologia criteriosa, assegurando à escala de cicatrizaçao de Vancouver um formato e uma linguagem de fácil compreensao e equivalência idiomática e cultural a populaçao brasileira.

Os processos de compreensao/clareza e validaçao/reprodutividade constataram que todos os itens da escala foram considerados relevantes e a consistência interna testada pelo α de Cronbach obteve alto grau de significância demonstrado pelos dois grupos. Com isto, acreditamos que o instrumento foi traduzido e adaptado com sucesso ao idioma português e à cultura brasileira, bem como mostrou-se válido e reprodutível, podendo ser utilizado pelos profissionais da saúde para avaliar a cicatriz de queimaduras cutâneas.

As queimaduras de segundo e terceiro graus possuem alto risco de desenvolver cicatrizes hipertróficas, podem levar a várias alteraçoes funcionais que limitam algumas atividades diárias. Para avaliar a gravidade da cicatriz, vários dispositivos técnicos ou ferramentas sao usados para avaliar um ou mais aspectos da cicatriz, permitindo comparaçao de diferentes protocolos de tratamento e dos resultados15,16.

A avaliaçao de cicatriz ainda nao possui um padrao ou consenso sobre a melhor maneira de avaliá-la, porém, escalas como a de Vancouver descrita por Sullivan et al.6 auxiliam essa avaliaçao com dados importantes, como: vascularizaçao, maleabilidade, flexibilidade e altura da cicatriz, dados que nos trazem indícios do andamento do processo de cicatrizaçao do paciente, permitindo uma abordagem clínica mais específica para cada caso e uma uniformidade nos resultados para serem comparados posteriormente.

Dentre as diversas escalas de avaliaçao de cicatriz em pacientes queimados, a Escala de Cicatrizaçao de Vancouver possui um melhor custo benefício pela sua simplicidade e clareza nos itens, sendo eles de fácil aplicaçao para todos os profissionais da área da saúde. Como as avaliaçoes por escalas nao necessitam de materiais e instrumentos complexos, estas escalas possuem um baixo custo, o que amplia a sua utilizaçao.

Muitos estudos têm apresentado a mesma precauçao e cautela com as traduçoes de escalas e questionários, principalmente no contexto de adaptaçao cultural para a populaçao a ser aplicada, podendo eliminar eventuais peculiaridades vindas de equívocos com a traduçao literal de alguns termos13,14.

O processo descrito neste artigo é um processo de traduçao e, quando necessário à substituiçao de itens equivalentes foram utilizados termos mais próximos da escala, com o objetivo de tornála relevante e válida na cultura brasileira.

A Escala de Cicatrizaçao de Vancouver é composta por quatro itens, sendo eles: pigmentaçao (coloraçao da cicatriz), vascularizaçao (ausência ou alteraçao), flexibilidade (maleabilidade) e altura (espessura da cicatriz) com pontuaçao final que varia de 0 a 13, sendo o menor resultado correspondente a um melhor resultado de regeneraçao e cicatrizaçao tecidual.

Se os itens de uma escala apresentam alto nível de correlaçao, estes se integram em um único conceito e, portanto, apresentam consistência interna. O grande número de questionários respondidos pelos professores e profissionais da saúde tornou a Escala de Cicatrizaçao de Vancouver adaptada ao idioma e cultura brasileira, de forma reprodutível e, portanto, com consistência interna significativa. A análise dos escores obtidos com a aplicaçao da escala evidenciou consistência interna dos itens da escala de Cicatrizaçao de Vancouver na sua versao final para a língua portuguesa mostrado pelo índice α de Cronbach, indicando consistência interna do instrumento.

Este trabalho sugere o desenvolvimento de novas pesquisas, com propósito na atualizaçao da Escala de Cicatrizaçao de Vancouver e adaptaçao à nova realidade da populaçao brasileira. Desta forma, a Escala de Cicatrizaçao de Vancouver adaptada ao idioma português e à cultura brasileira oferece uma ferramenta importante para auxiliar na avaliaçao do processo de cicatrizaçao por várias causas, bem como para auxiliar as cicatrizes associadas as demais técnicas e outras avaliaçoes clínicas na atuaçao de queimaduras cutâneas.


CONCLUSAO

Conclui-se que a traduçao e adaptaçao à cultura brasileira demonstrou credibilidade (validade de face), além de ser um instrumento válido, reprodutível e confiável para avaliar cicatriz em pacientes queimados, sendo uma ferramenta útil, aplicável e de baixo custo para auxiliar e facilitar o trabalho dos profissionais da área da saúde e, consequentemente, beneficiar o paciente queimado com melhores resultados no tratamento.

Em trabalhos futuros, pode-se utilizar esta Escala de Cicatrizaçao de Vancouver traduzida para a língua portuguesa e adaptada à cultura brasileira para que sirva de base para o desenvolvimento de versoes adaptadas, incluindo novos itens de avaliaçao e possíveis instrumentos.


REFERENCIAS

1. Bernz LM, Mignoni ISP, Pereima MJL, Souza JA, Araújo EJ, Feijó R. Análise das causas de óbitos de crianças queimadas no Hospital Infantil Joana de Gusmao, no período de 1991 a 2008. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(1):9-13.

2. Baryza MJ, Baryza GA. The Vancouver Scar Scale: an administration tool and its interrater reliability. J Burn Care Rehabil. 1995;16(5):535-8.

3. Gragnani A, Ferreira LM. Pesquisa em queimaduras. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(3):91-9.

4. Oliveira GV, Chinkes D, Mitchell C, Oliveras G, Hawkins HK, Herndon DN. Objective assessment of burn scar vascularity, erythema, pliability, thickness, and planimetry. Dermatol Surg. 2005;31(1):48-58.

5. Robbins SL, Cotran RS, Kumar V, Abbas AK, Fausto N. Tecido de renovaçao e reparaçao: regeneraçao, cicatrizaçao e fibrose.In: Robbins e Cotran. Patologia: bases patológicas das doenças. 7ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2005. p.91-124.

6. Sullivan T, Smith J, Kermode J, McIver E, Courtemanche DJ. Rating the burn scar. J Burn Care Rehabil. 1990;11(3):256-60.

7. Hambleton J, Shakespeare PG, Pratt BJ. The progress of hypertrophic scars monitored by ultrasound measurements of thickness. Burns. 1992;18(4):301-7.

8. Stanley MJ, Richard RL. Queimaduras. In: O'Sullivan SB, Schmitz, TJ. Fisioterapia: avaliaçao e tratamento. Sao Paulo: Manole; 2004. p.845-71.

9. Martin D, Umraw N, Gomez M, Cartotto R. Changes in subjective vs objective burn scar assessment over time: does the patient agree with what we think? J Burn Care Rehabil. 2003;24(4):239-44.

10. Katz SM, Frank DH, Leopold GR, Wachtel TL. Objective measurement of hypertrophic burn scar: a preliminary study of tonometry and ultrasonography. Ann Plast Surg. 1985;14(2):121-7.

11. Fong SS, Hung LK, Cheng JC. The cutometer and ultrasonography in the assessment of postburn hypertrophic scar--a preliminary study. Burns. 1997;23 Suppl 1:S12-8.

12. Davey RB, Sprod RT, Neild TO. Computerised colour: a technique for the assessment of burn scar hypertrophy. A preliminary report. Burns. 1999;25(3):207-13.

13. Guillemin F, Bombardier C, Beaton D. Cross-cultural adaptation of health-related quality of life measures: literature review and proposed guidelines. J Clin Epidemiol. 1993;46(12):1417-32.

14. Beaton DE, Bombardier C, Guillemin F, Ferraz MB. Guidelines for the process of crosscultural adaptation of self-report measures. Spine (Phila Pa 1976). 2000;25(24):3186-91.

15. Brusselaers N, Pirayesh A, Hoeksema H, Verbelen J, Blot S, Monstrey S. Burn scar assessment: a systematic review of different scar scales. J Surg Res. 2010;164(1):e115-23.

16. Nedelec B, Shankowsky HA, Tredget EE. Rating the resolving hypertrophic scar: comparison of the Vancouver Scar Scale and scar volume. J Burn Care Rehabil. 2000;21(3):205-12.










1. Fisioterapeuta. Mestranda do Programa de Pós-Graduaçao em Fisioterapia da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
2. Fisioterapeuta, Mestre em Saúde Pública. Pró-Reitoria de Extensao, Cultura e Comunidade da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Doutorando do Programa de Pós-Graduaçao em Biologia Celular e do Desenvolvimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil
3. Professora (Ph.D.). Programa de Pós-Graduaçao em Fisioterapia da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil

Correspondência:
Claudia Mirian de Godoy Marques
UDESC - CEFID
Rua Pascoal Simone, 358 - Coqueiros
Florianópolis, SC, Brasil - CEP:88080-350
E-mail: claudia.marques@udesc.br

Artigo recebido: 14/6/2014
Artigo aceito: 28/7/2014

Trabalho realizado na Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

© 2020 Todos os Direitos Reservados