1466
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Superfície corporal queimada vs. tempo de internação. Análise dos últimos 15 anos

Burned surface area vs. length of hospitalization. Analysis of 15 years

Ricardo da Fonseca Filho1; Cláudio David Nigri2; Guilherme Miranda de Freitas3; Fernando Valentim Filho4

RESUMO

INTRODUÇAO: As queimaduras representam uma grande questao no plano médico social, pelo grande número de acidentes, como também econômico, já que o custo de um paciente numa unidade de tratamento de queimado pode ultrapassar R$1.500,00 por dia. Outro fato que deve ser ressaltado é a ocorrência de 2500 óbitos por ano, no Brasil, decorrentes de queimadura. O objetivo do estudo é fazer uma análise do período de internaçao até o óbito com a superfície corporal queimada (SCQ), tentando estimar o tempo de internaçao de acordo com a extensao da lesao.
MÉTODO: Estudo retrospectivo, realizado no Centro e Tratamento de Queimados do Hospital de Força Aérea do Galeao, onde foi feito o levantamento de dados de pacientes com queimadura de origem térmica e que estiveram internados por pelo menos um dia no serviço, nos últimos 15 anos. Os pacientes foram divididos em quatro grupos de acordo com o percentual de superfície corporal queimada.
RESULTADOS: Foram internados 197 pacientes queimados no período. A média de extensao da lesao foi de 21,32% da área corporal. O tempo médio de internaçao foi de 24 dias no centro de tratamento de queimados.
CONCLUSAO: Conforme o aumento do percentual de área queimada, a gravidade dos pacientes também se elevou, com maior percentual de óbito por grupo e maior tempo de internaçao.

Palavras-chave: Queimaduras. Tempo de Internação. Mortalidade.

ABSTRACT

INTRODUCTION: The burns represent a major social issue in the medical plan for the large number of accidents, as well as economic, since the cost of a patient in a treatment unit burned may exceed R$1,500.00 per day. Another fact that should be noted is the occurrence of 2500 deaths per year in Brazil, due to burns. The objective of the study is make an analysis of the hospitalization period and evolution to death with burned body surface area, trying to estimate the time of hospitalization according to extent of injury.
METHODS: This was a retrospective study conducted at the Burn Treatment Center from the Air Force Hospital of the Galeao, where we did the data collection of patients with burn of thermal origin and who were hospitalized for at least one day in service in the last 15 years. Patients were divided into four groups according to the percentage of body surface burned.
RESULTS: 197 patients were admitted in the period. The mean lesion length was 21.32% of the body surface area. And the average length of stay was 24 days in the Burn Treatment Center.
CONCLUSION: As the increase in the percentage of burned area, the severity of the patients also increased, with the highest percentage of deaths per group and longer hospitalization.

Keywords: Burns. Length of Stay. Mortality.

INTRODUÇAO

As queimaduras representam uma importante questao no plano médico social pelo grande número de acidentes, como também no plano econômico, já que o custo de um paciente numa unidade de tratamento de queimado pode ultrapassar R$1.500,00 por dia1,2. As queimaduras foram responsáveis por 4,4% das internaçoes do SUS no ano 20003. Outro fato que deve ser ressaltado é a ocorrência de 2500 óbitos por ano, no Brasil, decorrentes deste tipo de trauma1, sendo essa a quarta causa de óbito em crianças, e a sétima em admissao hospitalar4.

A lesao térmica é a principal causa de queimaduras1,3 (Figura 1), sendo a abordada em nosso trabalho, mesmo porque queimaduras elétricas têm a tendência de acometer uma superfície corporal pequena, causando lesoes em estruturas profundas5, comprometendo a avaliaçao da superfície corporal queimada (SCQ) vs. tempo de internaçao.


Figura 1 - Paciente vítima de explosao sendo admitido em nosso CTQ.



Sabe-se que pacientes queimados sao mais propensos a adquirir infecçoes devido ao comprometimento da barreira de proteçao da pele, alteraçao da microbiota normal, estresse oxidativo, translocaçao bacteriana gastrointestinal, presença de tecido desvitalizado, uso inadequado de antibióticos e também a internaçao prolongada é um importante fator2.

O objetivo do estudo é analisar o período de internaçao e o óbito com a superfície corporal queimada (SCQ), tentando estimar o tempo de internaçao de acordo com a extensao da lesao.


MATERIAIS E MÉTODOS

Trata-se de estudo retrospectivo, realizado no Centro e Tratamento de Queimados do Hospital de Força Aérea do Galeao, onde foi feito o levantamento de dados de pacientes com queimadura de origem térmica e que estiveram internados por pelo menos um dia no serviço, nos últimos 15 anos. Os critérios de exclusao foram queimadura elétrica, química ou por radioterapia.

Os pacientes foram divididos em quatro grupos de acordo com o percentual de superfície corporal queimada (%SCQ), grupo 1 até 20% SCQ, grupo 2 de 20-40% SCQ, grupo 3 40-60% SCQ e grupo 4 mais de 60% SCQ, avaliando-se o tempo de internaçao e o óbito.


RESULTADOS

Foram internados 197 pacientes queimados no período, com 17 óbitos, representando 11,58% do total.

A média de extensao da lesao foi de 21,32% da área corporal, sendo que os grandes queimados (mais de 20% de SCQ) representaram 37,56% da amostra (74 pacientes) (Gráfico1).


Grafico 1 - Distribuiçao dos pacientes queimados por grupos.



O tempo médio de internaçao foi de 24 dias no centro de tratamento de queimados. Considerando-se apenas os grandes queimados, o tempo médio de internaçao foi de 41,5 dias (Gráfico2).


Grafico 2 - Tempo de internaçao médio de cada grupo de pacientes.



O grupo 1 foi constituído de 123 pacientes (62,43%), com média de internaçao de 13,37 dias e nenhum óbito. O grupo 2 apresentou 35 queimados (17,76%), com média de 33,11 dias internados e três óbitos (8,5%). O grupo 3 teve 27 pacientes (13,7%), com 50,77 dias de internaçao, em média, e nove óbitos (33,33%). O grupo 4 foi representado por 12 pacientes (6,09%), com tempo médio de internaçao de 44,75 dias e cinco óbitos (41,66%).

Dos óbitos do grupo 2, nenhum ocorreu antes de 48 horas de internaçao. Do grupo 3, dois (22% dos óbitos do grupo) ocorreram antes de 2 dias e sete (78%) após. Do grupo 4, um (20% dos óbitos do grupo) ocorreu antes de 48 horas e quatro (80%) após (Gráfico 3).


Grafico 3 - Média de óbitos por grupo de pacientes.



DISCUSSAO

O presente estudo encontrou resultados compatíveis com a literatura, em que a média de área queimada entre pacientes internados é de 20,8%3, semelhante à encontrada no HFAG, de 21,32%.

Os pacientes do grupo 1, com menos de 20% de SCQ, apresentaram o menor tempo médio de internaçao comparado com os demais grupos. Conforme o aumento do percentual de área queimada, a gravidade dos pacientes também se elevou, com maior percentual de óbito por grupo.

O tempo médio de internaçao também aumentou com a gravidade, exceto a relaçao entre os grupos 3 e 4, em que houve queda do tempo médio de internaçao, provavelmente relacionado ao elevado percentual de óbito dos pacientes com mais de 60% SCQ (41,66% deles). Esta média de 24 dias foi semelhante ao de outro estudo com pacientes vítimas de queimadura térmica (26,55 dias)1.

Dos pacientes queimados que procuram atendimento médico, cerca de 2,5% vao a óbito, sendo que as infecçoes sao responsáveis por 75% destes2. E 75% dos óbitos, no presente estudo, ocorreram após 48h de internaçao.

Apesar do tempo médio de internaçao geral dos queimados ser de 24 dias, quando observamos apenas os grandes queimados essa média pode chegar a mais de 40 dias, representando um grande impacto econômico e também psicossocial, posto que o paciente fica ausente do trabalho e isolado do convívio familiar por este longo período.


CONCLUSAO

Conforme o aumento do percentual de área queimada, a gravidade dos pacientes também se elevou, com maior percentual de óbito por grupo e maior tempo de internaçao.

Essa média de dias de internaçao é interessante para criar uma perspectiva no tratamento, pois, na maioria dos casos, lidamos com a ansiedade dos familiares e do próprio paciente sobre quando ocorrerá o retorno para casa.


REFERENCIAS

1. Aldunate JLCB, Ferrari Neto O, Tartare A, Araujo CAL, Silva CC, Menezes MAJ, et al. Análise de 10 anos de casos de queimaduras por álcool com necessidade de internaçao em hospital quaternário. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(4):220-5.

2. Rempel LCT, Tizzot MRPA, Vasco JFM. Incidência de infecçoes bacterianas em pacientes queimados sob tratamento em hospital universitário de Curitiba. Rev Bras Queimaduras. 2011;10(1):3-9.

3. Cruz BF, Cordovil PBL, Batista KNM. Perfil epidemiológico de pacientes que sofreram queimaduras no Brasil: revisao de literatura. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(4):246-50.

4. Andretta IB, Cancelier ACL, Mendes C, Branco AFC, Tezza MZ, Carmello FA, et al. Perfil epidemiológico das crianças internadas por queimaduras em hospital do sul do Brasil, de 1998 a 2008. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(1):22-9.

5. Leonardi DF, Laporte GA, Tostes FM. Amputaçao de membro por queimadura elétrica de alta voltagem. Rev Bras Queimaduras. 2011;10(1):27-9.










1. Cirurgiao Geral pela Santa Casa de Misericórdia de Sao Paulo. Residente de Cirurgia Plástica do Hospital de Força Aérea do Galeao, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
2. Cirurgiao Plástico. Tenente Médico da Aeronáutica. Chefe do Centro de Tratamento de Queimados do Hospital de Força Aérea do Galeao, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
3. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Capitao Médico da Aeronáutica. Chefe do Serviço de Cirurgia Plástica Hospital de Força Aérea do Galeao, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
4. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Coronel Médico da Aeronáutica. Regente da Residência Médica em Cirurgia Plástica do Hospital de Força Aérea do Galeao, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Correspondência:
Ricardo da Fonseca Filho
Rua Barao da Torre 206/410, Ipanema
Rio de Janeiro, RJ, Brasil - CEP 22411-000
E-mail: rico.med@gmail.com

Artigo recebido: 9/6/2014
Artigo aceito: 18/7/2014
Trabalho apresentado no VIII Congresso doDESC, em Sao Paulo, no dia 6 de março de 2014.
Nao há conflito de interesses ou problema ético relacionado.

Trabalho realizado no Hospital de Força Aérea do Galeao, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

© 2020 Todos os Direitos Reservados