837
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Perfil de infecção em pacientes vítimas de queimadura no Hospital Federal do Andaraí

Infection profile in burn victims of the Andaraí Federal Hospital

Carla Novaretti dos S. Sodré1; Maria Cristina do Vale Freitas Serra2; Juan Alfredo Sanabria Rios3; Carlos González Cortorreal3; Luiz Maciera4; Evelyn Nascimento de Morais5

RESUMO

OBJETIVO: Analisar os casos de infecçao ocorridos no centro de tratamento de queimados do Hospital Federal do Andaraí (HFA) entre 2009 e 2014.
MÉTODOS: os dados foram colhidos dos relatórios do setor de infecçao hospitalar e da análise dos prontuários do referido setor.
RESULTADOS: Nesse período foram internados 552 pacientes, 165 apresentaram quadro infeccioso, sendo 203 o número total de episódios de infecçao, os sítios de origem de infecçao em ordem de frequência foram hemoculturas, seguidos de pele, urina e secreçao traqueal. A. Baumannii spp foi o microrganismo mais frequentemente isolado nas amostras, porém com diminuiçao gradual ao longo do tempo analisado.
CONCLUSAO: O paciente queimado possui características clínicas que predispoem marcadamente à infecçao, a identificaçao do perfil de microrganismos e medidas para prevençao do episódio infeccioso nestes doentes sao de extrema importância.

Palavras-chave: Queimadura. Infecção. Bactérias

ABSTRACT

OBJECTIVE: To analyze the cases of infection occurred in the Burn Unit Center of the Andaraí Federal Hospital between 2009 and 2014.
METHODS: the data was collected from the reports of the sector of hospital infection and of the analysis from the medical records of the same sector.
RESULTS: In this period were admitted 552 patients, 165 presented infection, of these, 203 was the total of infection episodes, the sites of infection origin in frequency order were hemocultures, followed by skin, urine and tracheal secretion. A.Baumannii spp was the most frequently isolated microorganism in the samples, however, with gradual diminishing along the analyzed time.
CONCLUSION: the burned patient has clinical characteristics that strongly predispose to infection, the identification of the microorganism profile and measures for prevention of the infectious episode in the patients is extremely important.

Keywords: Burn. Infection. Bacteria.

INTRODUÇAO

Segundo a Organizaçao Mundial da Saúde (OMS), as queimaduras encontram-se entre as causas principais de morbidade e mortalidade nos países em desenvolvimento. Somente as por fogo sao responsáveis por aproximadamente 265.000 mortes a cada ano, sem levar em conta as mortes por escaldadura, eletricidade ou por substâncias químicas. Em consequência, enfatiza-se o fortalecimento das políticas de saúde e campanhas preventivas, assim como o reforço da constante atividade formativa dos indivíduos associados ao tratamento idôneo desta entidade1,2.

A queimadura é o ambiente ideal para a instauraçao de uma infecçao, como consequência do acometimento da pele, que é o órgao primordial para a defesa do organismo da entrada de germes. A infecçao associa-se com diversos fatores de risco, principalmente relacionados com o agente infeccioso em si, como a sua capacidade de replicaçao, virulência e resistência às barreiras de defesa naturais ou mesmo às terapias antimicrobianas, assim como a fatores relacionados com o hóspede em decorrência da sua idade, extensao e profundidade da queimadura, estado nutricional e doenças associadas, entre outros2,3.

Existem diferentes locais de origem dos microrganismos que potencialmente podem conduzir a uma infecçao do sítio onde ocorreu o acidente, assim como de lugares normalmente colonizados domesmo indivíduo, tais como, secreçoes, eliminaçoes fisiológicas ou inclusive da mesma pele normal, porém, muito frequentemente sao originários propriamente do ambiente hospitalar e em consequência de procedimentos invasivos ou de focos extrahospitalares a partir de visitas4,5.

Como causa predominante de mortalidade e morbidade no grupo de pacientes queimados, estabelece-se a infecçao, sendo responsável por pelo menos 75% dos casos de óbito, que, além dos fatores anteriormente mencionados, acentua-se com a resposta imune dizimada do indivíduo, permitindo a proliferaçao bacteriana ocorrer numa taxa mais elevada6,7.

Neste contexto, o presente estudo teve como objetivo analisar o perfil de infecçao específico no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital Federal do Andaraí (HFA), no Rio de Janeiro, RJ, no intuito de ter uma visao geral e comparativa do comportamento desta entidade tanto no Brasil quanto em centros especializados de países desenvolvidos3,8. Desta maneira, poderemos focar principalmente nas medidas de prevençao e no tratamento específico em relaçao com os agentes causais.


MATERIAIS E METODOS

Neste estudo retrospectivo, foram analisados os relatórios anuais da Comissao de Controle de Infecçao Hospitalar (CCIH) do Hospital Federal do Andaraí e a base de dados e prontuários do Centro de Tratamento de Queimados desta instituiçao, de pacientes internados nesta unidade, no período entre 2009 e 2014.

Foram coletadas informaçoes referentes ao número de pacientes internados por ano, indivíduos que apresentaram quadro infeccioso tanto clínico quanto comprovado bacteriologicamente, distribuiçao total de microrganismos por sítio e diferença de prevalência entre estes.

Os dados coletados foram independentes de fatores como idade, extensao ou gravidade da queimadura, analisando diretamente as estatísticas e tabelas descritivas dos relatórios anuais do CCIH.

Os dados foram analisados a partir de estatística descritiva, comtemplando número de casos confirmados de infecçao, frequência, sítios de origem e microrganismos específicos isolados, e organizados em tabelas descritivas.


RESULTADOS

No período de 2009 a 2014, foram identificadas 552 internaçoes. Dentre estas, foram constatadas 165 ocorrências de infecçao com comprovaçao microbiológica laboratorial; em decorrência destas últimas apresentarem mais de um episódio infeccioso, o número total de episódios correspondeu a 203.

No total das amostras positivas para microrganismos responsáveis pelos quadros infecciosos, os mais prevalentes foram os achados das hemoculturas 59,6% n=121, seguidos por biópsias de pele 15,7% (n=32), urina 15.7% (n=32), secreçao traqueal 8,3% (n=17) e lavagem brônquio-alveolar 0,4% (n=1) (Tabela 1).




Em relaçao à distribuiçao dos microrganismos nas amostras positivas mencionadas, encontrou-se maior prevalência do Acinetobacter baumannii spp., em todos os sítios com exceçao da urina, seguido por Pseudomona aeruginosa spp. e outros (Tabela 2).




Observou-se uma diminuiçao gradual no índice de positividade para os diferentes microrganismos nos seis anos analisados, especialmente A. baumannii spp com sete infecçoes comprovadas em 2009, um pico de 22 em 2011, e somente uma amostra positiva em 2014 (Tabela 3).




Caso similar observou-se com P. aeruginosa spp, com um pico de infecçoes de 13 em 2010 e três em 2014. Já o S. aureus spp e outros germes tiveram uma prevalência relativamente estável durante estes anos (Tabela 3).


DISCUSSAO

A infecçao e a sepse estao entre as complicaçoes mais graves no paciente queimado. Na ausência de tratamento apropriado a queimadura é o meio de cultura ideal para a colonizaçao e proliferaçao de todo tipo de microrganismos endógenos e exógenos7.

Em consequência, o risco de infecçao aumenta proporcionalmente com a extensao e profundeza da queimadura. Assim, o tipo e quantidade de microrganismos que colonizam a ferida têm influencia na frequência das infecçoes invasivas e na sua gravidade clínica9.

A. baumannii spp. foi o microrganismo mais frequentemente isolado em hemoculturas, infecçoes da queimadura e outras de origem pulmonar, em contraste com vários estudos que descrevem P. aeruginosa spp. em primeiro lugar seguido por A. baumannii spp. e S. aureus spp. como os mais frequentemente isolados8,9. Provavelmente esta predominância tem relaçao com padroes de referência interinstitucional de pacientes, resistência antibiótica e ainda deficiências nas medidas de controle de infecçao do centro de tratamento de queimados.

Identificou-se uma diminuiçao ao longo do tempo da presença dos microrganismos mais frequentemente isolados, do que podemos intuir que alguns fatores devem ter influenciado esse resultado, como melhores medidas de desinfecçao na unidade e instauraçao de protocolos de internaçao prevenindo a entrada de pacientes vindo de outras unidades10,11.

Destacamos a importância do uso racional dos antibióticos com o objetivo de diminuir ao máximo a probabilidade de ativar os mecanismos próprios de resistência desenvolvidos por estes microrganismos, o que em alguns casos pode comprometer a vida do paciente por causa da falta de disponibilidade de antibioticoterapias efetivas, assim como outras medidas preventivas que diminuam este risco, como intensificaçao da rigorosidade nos protocolos de lavagem de maos tanto da equipe medica quanto dos visitantes, familiares e possíveis portadores passivos e ativos de patógenos, além de cuidado especial com os dispositivos invasivos de motorizaçao hemodinâmica e de administraçao de fluidos11. Desta maneira, poderemos diminuir ao máximo a incidência de infecçoes neste subgrupo de pacientes, com diminuiçao significativa do tempo de internaçao e seu consequente custo.


CONCLUSOES

A análise criteriosa do perfil infeccioso neste CTQ atinge um objetivo fundamental: definir quais foram os agentes microbianos prevalentes e o seu correspondente comportamento ao longo dos últimos seis anos. É de extrema importância ter o conhecimento destes perfis nos centros de tratamento de queimados tanto do Brasil quanto do mundo inteiro, no intuito de focar as medidas específicas de prevençao, levando em conta os microrganismos presentes nas unidades. Além disso, é necessário realizar estudos que esclareçam fatores determinantes como resistência bacteriana aos esquemas antibióticos, diferenças nos protocolos de prevençao de infecçao nos CTQ, e diferenças na distribuiçao epidemiológica das infecçoes no queimado em relaçao com faixa etária e gravidade da lesao, especialmente do nosso país, para, assim, conseguir diminuir efetivamente a incidência e a prevalência desta entidade, gerando um impacto real na sobrevida da vítima de queimadura.


REFERENCIAS

1. World Health Organization. Burn statistics. 2014 [Acesso 30 Jul 2015]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs365/en/

2. Peck MD. Epidemiology of burns throughout the world. Part I: Distribution and risk factors. Burns. 2011;37(7):1087-100.

3. Rafla K, Tredget EE. Infection control in the burn unit. Burns. 2011;37(1):5-15.

4. Jeschke MG, Pinto R, Kraft R, Nathens AB, Finnerty CC, Gamelli RL, et al.; Inflammation and the Host Response to Injury Collaborative Research Program. Morbidity and survival probability in burn patients in modern burn care. Crit Care Med. 2015;43(4):808-15.

5. Gragnani A, Gonçalves ML, Feriani G, Ferreira LM. Análise microbiológica em queimaduras. Rev Soc Bras Cir Plást. 2005;20(4):237-40.

6. Pruitt Jr. BA, Wolf SE, Mason Jr. AD. Epidemiological, Demographic, and Outcome Characteristics of Burn Injury. In: Herndon DN. Total burn care. 4th ed. Edinburgh: Saunders; 2012. p.23.

7. Church D, Elsayed S, Reid O, Winston B, Lindsay R. Burn wound infections. Clin Microbiol Rev. 2006;19(2):403-34.

8. Altoparlak U, Erol S, Akcay MN, Celebi F, Kadanali A. The time-related changes of antimicrobial resistance patterns and predominant bacterial profiles of burn wounds and body flora of burned patients. Burns. 2004;30(7):660-4.

9. Raz-Pasteur A, Hussein K, Finkelstein R, Ullmann Y, Egozi D. Blood stream infections (BSI) in severe burn patients--early and late BSI: a 9-year study. Burns. 2013;39(4):636-42.

10. Noorbakhsh Sabet N, Japoni A, Mehrabani D, Japoni S. Multi-drug resistance bacteria in Qom hospitals, Central Iran. Iran Red Crescent Med J. 2010;12(4):501-3.

11. Coban YK. Infection control in severely burned patients. World J Crit Care Med. 2012;1(4):94-101.










1. Infectologista do Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Federal do Andaraí, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
2. Médica do Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Federal do Andaraí. Presidente da Sociedade Brasileira de Queimaduras - regional Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
3. Médico especializando em Cirurgia Plástica do Hospital Santa Casa da Misericórdia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
4. Chefe do Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Federal do Andaraí, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
5. Enfermeira Especialista em cuidados de Enfermagem ao Paciente Critico. Coordenadora do Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Federal do Andaraí, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Correspondência:
Maria Cristina do Valle Freitas Serra
Rua Leopoldo, 280 - Andaraí
Rio de Janeiro, RJ, Brasil - CEP: 20541-170
E-mail: mcriss9@gmail.com

Artigo recebido: 7/5/2015
Artigo aceito: 30/7/2015
Esse artigo nao possui conflitos de interesse e fontes de financiamento

Local de realizaçao do trabalho: Hospital Federal do Andaraí, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

© 2022 Todos os Direitos Reservados