399
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Relato de Experiência

Ações extensionistas voltadas para a prevenção de queimaduras solares: relato de experiência

Extension actions towards the prevention of sunburn: experience report

Lucas Henrique de Rosso1; Paulo Roberto Boeira Fuculo Junior1; Evelyn Andrade dos Santos1; Simone Coelho Amestoy2; Maria Elena Echevarría-Guanilo3

RESUMO

Objetivou-se relatar a experiência de açoes educativas visando à prevençao de queimaduras, principalmente as queimaduras solares. A atividade ocorreu em uma praia no interior do Estado de Rio Grande do Sul e atingiu, aproximadamente, 550 pessoas que foram abordadas face-a-face, sendo orientadas quanto aos riscos de queimaduras solares, horários seguros de exposiçao ao sol e acessórios que contribuem para a proteçao. Também foram mencionadas formas de agir frente aos danos causados pela intensa exposiçao aos raios solares, e queimaduras eventuais por meio de toxinas das lagartas e cnidários. Conclui-se que atividades como estas, além de auxiliar na assistência integral à populaçao, contribuem com o desempenho do papel social e aprendizado dos acadêmicos de enfermagem, futuros profissionais integrantes da equipe multiprofissional de saúde.

Palavras-chave: Queimaduras. Risco. Educação em Saúde. Prevenção Primária.

ABSTRACT

This study was aimed to experience the educational actions focusing on the prevention of burnings, mainly sunburn. The activity was carried out in a beach at the countryside of the State of Rio Grande do Sul, and attained approximately 550 persons, which were personally approached, and oriented about the sunburn risks, safe time to sun exposure, and accessories that contribute to protection. Moreover, forms to act towards the damage caused by the intense exposure to sun, and eventual burnings throughout toxins of caterpillars and cnidarians were mentioned. It is possible to conclude that activities such as these contribute to the performance of the nursing students' social role and learning, who are the future professionals that will compose the multidimensional health team.

Keywords: Burns. Risk. Health Education. Primary Prevention.

INTRODUÇAO

Atualmente, no cenário nacional, as queimaduras demonstram um agravo significativo à saúde pública1. Segundo informaçoes da Organizaçao Mundial da Saúde (OMS), acidentes com queimaduras sao responsáveis por aproximadamente 300.000 mortes por ano em todo o mundo. No Brasil, a estimativa destes acidentes representa em torno de 1.000.000 a 1.500.00 por ano2,3. Esses dados alarmantes despertam a necessidade de açoes de prevençao com a populaçao tendo o intuito de minimizar os acidentes por queimaduras.

Demograficamente, o Brasil apresenta uma extensa parte de sua superfície localizada entre o Trópico de Capricórnio e o Equador, tornando-o um país com a maior área intertropical e um dos mais ensolarados do planeta. Devido a esse fato, recebe em grande intensidade os raios solares, consequentemente, apresentando uma importante contribuiçao com o número de ocorrência de queimaduras solares de primeiro e segundo grau, e com o elevado número de casos de câncer de pele4.

O verao é a estaçao em que a populaçao fica mais exposta ao sol, tornando-a mais suscetível às queimaduras em virtude dos raios ultravioletas B, que atingem diretamente o nosso tecido de revestimento, ocasionando importantes danos5.

A pele é considerada o maior órgao do corpo humano e mostra-se como uma fronteira, pois permite a interaçao do corpo com o meio exterior. A mesma desenvolve diversas funçoes, sendo as principais a proteçao, o controle hídrico, regulaçao da temperatura, produçao de vitamina D e a excreçao. Ela é constituída por duas importantes camadas, que sao a epiderme e a derme, estando a última assentada em outra camada denominada hipoderme6. A queimadura ocasiona lesoes nas camadas da pele e, conforme a profundidade atingida, as queimaduras podem ser classificadas como de primeiro, segundo e de terceiro grau1.

As lesoes causadas na pele decorrentes das queimaduras podem ser nao somente devido a agentes radioativos, mas também por meio de energia térmica, química e elétrica, pois expressam capacidade de gerar calor excessivo nos tecidos de revestimento do corpo humano, acarretando de forma parcial ou total a destruiçao da pele e seus anexos1.

Açoes de prevençao de acidentes com queimaduras tornam-se fundamentais, principalmente quando as mesmas sao direcionadas. Isto é, quando as açoes de prevençao acompanham a sazonalidade com que estes acidentes ocorrem durante o ano2.

Nessa perspectiva, as açoes extensionistas voltadas à prevençao sao estratégias fundamentais para minimizar os acidentes e mortes provocadas a partir de queimaduras, em que a disseminaçao de medidas preventivas e orientaçoes à populaçao por meio da educaçao em saúde se tornam imprescindíveis para a reduçao desse tipo de acidentes2. Ademais, o desenvolvimento de açoes extensionistas promove a assistência integral da populaçao, assim como contribui tanto com o desempenho do papel social e de educadores em saúde dos acadêmicos de enfermagem, futuros profissionais que integrarao a equipe multidisciplinar de saúde.

O presente trabalho tem o objetivo de relatar as açoes educativas de prevençao de queimaduras, com foco nas queimaduras solares.


RELATO DA EXPERIENCIA

A atividade foi realizada pelos acadêmicos integrantes do Grupo de Extensao e Pesquisa em Queimaduras (GEPQ), vinculado ao curso de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas. Atividades educativas sobre prevençao e reabilitaçao em queimaduras vêm sendo desenvolvidas desde 2010 pelo grupo junto à populaçao.

As açoes de prevençao às queimaduras foram realizadas na praia do Laranjal, situada na cidade de Pelotas-RS, Brasil. Essas foram desenvolvidas em dois dias, no período da manha e tarde, no mês de fevereiro de 2015, atingindo um público de aproximadamente 550 pessoas, incluindo crianças, jovens, adultos e idosos.

Para a realizaçao das açoes, foram utilizadas impressoes ilustrativas e flyers informativos elaborados pelos integrantes do grupo GEPQ, nos quais constam informaçoes sobre queimaduras solares, de lagarta e cnidários, bem como a maneira de proceder frente à ocorrência (Figura 1).


Figura 1 - Panfleto informativo: Cuidados para aproveitar melhor o verao!



Durante as atividades, a populaçao, que no momento frequentava o respectivo local foi abordada e orientada quanto aos riscos de queimaduras solares e as formas de prevençao: horários mais seguros para exposiçao ao sol, acessórios que contribuem para a proteçao, tais como chapéus, óculos solares, guarda-sol, o uso de fotoprotetores/filtros solares e roupas apropriadas.

Em funçao das ocorrências de acidentes na estaçao de verao, também houve uma conversa acerca das formas de agir frente a danos causados pela intensa exposiçao aos raios solares, e queimaduras eventuais por meio de toxinas das lagartas e cnidários, conhecidos popularmente como mae d'água, água-viva e medusa.

Ao término das orientaçoes, foram disponibilizados flyers com informaçoes de prevençao e primeiros socorros em queimaduras. Destaca-se que, em todos os momentos, a forma de abordagem foi pausada e direcionada, primeiramente, a identificar o conhecimento da populaçao, de forma que as açoes partissem do conhecimento prévio. Isto com intuito das discussoes e orientaçoes serem significativas para a vivência e aprendizado da populaçao (Figura 2).


Figura 2 - Atividades extensionistas: prevençao de queimaduras.
Fonte: da Própria pesquisa



Após a apresentaçao e breve fala sobre o motivo da açao de prevençao e entrega dos flyers, grande parte dos participantes relataram suas experiências com queimaduras solares prévias ou, ainda, mostraram lesoes descamativas. Porém, com exposiçao solar contínua, fizeram mençao ao uso de fotoprotetores, e mostraram interesse no assunto abordado, havendo, assim, questionamentos e troca de saberes sobre atitudes mais adequadas que previnem queimaduras.

As mulheres carregavam bolsas em decorrência da necessidade de transportar consigo acessórios para proteçao à exposiçao ao sol, enquanto os homens apenas contavam com a peça de roupa que cobria o corpo, tais como sunga, bermuda e/ou camiseta, e sem fazer uso de fotoprotetor.

Ainda, pôde ser observado que frequentadores da praia encontravam-se utilizando acessórios que contribuíam com a proteçao aos raios solares, como guarda-sol, óculos, chapéus e roupas mais claras, além de utilizarem fotoprotetor, principalmente em crianças.

A açao teve o intuito de incentivar os participantes a tomarem iniciativas para a prevençao de queimaduras solar e, assim, orientar a forma correta de agir frente aos problemas, para minimizar os dados momentâneos e futuros à saúde; além de incentivar a tornarem-se também multiplicadores do conhecimento adquirido.


DISCUSSAO

As lesoes causadas pelos raios solares sao cumulativas, ou seja, à medida que o indivíduo se expoe ao sol, os efeitos desses se somarao e causarao danos possivelmente irreversíveis. Quando a exposiçao solar se dá na praia, as pessoas recebem uma intensidade maior e contínua das radiaçoes, sendo importante considerar a diferença de intensidade dada em diferentes lugares (locais de turismo)7, assim como nos diferentes horários do dia.

O bronzeamento é um processo contínuo, entretanto, é perceptível a exposiçao ao sol de pessoas em horários considerados inadequados, já que raios solares apresentam sua maior intensidade. Algumas pesquisas realizadas na cidade de Pelotas revelaram que 44,4% dos participantes apresentam certa sensibilidade quando expostos ao sol, causando assim queimaduras leves. Além disso, metade dos participantes alegou nao fazer uso de fotoprotetor e quando esteve exposta ao sol na praia (ou tomando banho de sol), no trabalho ou na prática de esporte, a prevalência de queimadura solar foi de 48,6% (IC 95%: 45,8;51,4), 35,1% (IC 95%: 29,8;40,4) e 20,6% (IC 95%: 17,8;23,4), respectivamente8.

Em um estudo realizado na cidade de Brasília, os autores9 identificaram que 66,9% dos entrevistados se expunham ao sol por lazer, enquanto 10,1% permaneciam no sol por motivos ocupacionais. Do total de participantes, apenas 25% faziam uso de fotoprotetor diariamente. Ainda, referem que as mulheres tendem a se proteger e ter cuidados a mais, quando comparadas com os homens9.

É importante destacar que a nao exposiçao excessiva ao sol, isto é, proteger a pele dos raios UV, é a melhor maneira de prevenir o melanoma e outros tipos de tumores cutâneos, principalmente em pessoas fototipo I e II, as quais sao de pele clara, com sardas, cabelos claros ou ruivos e olhos claros, além das que possuem histórico familiar10.

O intuito da açao de prevençao foi contribuir com o conhecimento das pessoas e alertá-las sobre a importância do uso do fotoprotetor, assim como a necessidade de respeitar os horários indicados e saudáveis para exposiçao ao sol. Adotar os cuidados adequados permite que a populaçao desfrute das atividades de lazer, que envolvem a exposiçao prolongada a raios solares na estaçao de verao, com maior segurança e saúde.


CONCLUSAO

Torna-se necessária a realizaçao frequente de atividades de educaçao em saúde junto à populaçao, objetivando o incentivo do conhecimento sobre promoçao e prevençao de queimaduras no verao devido à ocorrência da grande exposiçao ao sol da populaçao.

Assim, as atividades extensionistas direcionadas à prevençao emergem como estratégias fundamentais para a disseminaçao do conhecimento, orientaçoes e esclarecimentos sobre a temática com os indivíduos, a fim de diminuir os acidentes provocados devido às queimaduras solares. Também contribuem com o conhecimento dos acadêmicos sobre a temática e sobre o importante papel de educador em saúde, principalmente, na promoçao e prevençao


REFERENCIAS

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atençao à Saúde. Departamento de Atençao Especializada. Cartilha para tratamento de emergência das queimaduras. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

2. Takejima ML, Netto RFB, Toebe BL, Andretta MA, Prestes MA, Takaki JL. Prevençao de queimaduras: avaliaçao do conhecimento sobre prevençao de queimaduras em usuários das unidades de saúde de Curitiba. Rev Bras Queimaduras. 2011;10(3):85-8

3. Sociedade Brasileira de Queimaduras. Conceitos e causas de queimaduras. 2013 [Acesso 07 Fev. 2015]. Disponível em: http://sbqueimaduras.org.br/queimaduras-conceito-e-causas/

4. Brasil. Ministério da Saúde. INMETRO - Informaçao ao consumidor. Protetor solar. 1998 [Acesso 06 Fev. 2015]. Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/protetorSolar.asp

5. Brasil. Ministério da Saúde. Biblioteca Virtual em Saúde. Queimaduras de Sol. 2003 [Acesso 06 Fev. 2015]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/34queimadura.html

6. Barbosa SRTGS. Caracterizaçao de patologias da pele por ultrassons. [Dissertaçao de mestrado]. Coimbra: Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores, Universidade de Coimbra; 2013.

7. Rodrigo FG, Rodrigo MJ. O sol, a praia e a pele das crianças: conceitos essenciais. Acta Pediatr Port. 2011:42(2):71-7.

8. Haackl RL, Horta BL, Cesar JA. Queimadura Solar em Jovens: estudo de base populacional no Sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 2008;42(1):26-33.

9. Castilho IG, Sousa MAA, Leite RMS. Fotoexposiçao e fatores de risco para câncer da pele: uma avaliaçao de hábitos e conhecimentos entre estudantes universitários. An Bras Dermatol. 2010;85(2):173-8.

10. Sociedade Brasileira de Dermatologia. Programa Nacional de Combate ao Câncer de Pele [Acesso 07 Fev. 2015]. Disponível em: http://www.sbd.org.br/acoes/programa-nacional-de-combate-ao-cancer-da-pele/










1. Acadêmico de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem (FEn) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, Brasil
2. Acadêmica de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem (FEn) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, Brasil
3. Professor Adjunto do Departamento e do Programa de Pós-Graduaçao da Faculdade de Enfermagem (FEn) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, Brasil
4. Professor Adjunto do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil

Correspondência:
Lucas Henrique de Rosso
Universidade Federal de Pelotas
Rua Silva Só, nº139 - Bairro Santa Cecília
Porto Alegre, RS, Brasil - CEP: 90610-270
E-mail: lukz_rosso@hotmail.com

Artigo recebido: 10/3/2015
Artigo aceito: 22/4/2015

Local de realizaçao do trabalho: Faculdade de Enfermagem (FEn) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, Brasil.

© 2022 Todos os Direitos Reservados